Tecnologia de acionamento Demag

Base para um novo veículo de inspeção

Novos caminhos da inspeção de pontes

O cliente

A Moog GmbH, em Deggenhausertal/Bodensee, é mundialmente conhecida como especialista em tecnologia de acesso a pontes. A empresa projeta tanto aparelhos móveis para a inspeção de pontes em formatos muito diferentes, como pórticos fixos na ponte com plataformas que permitem uma inspeção do lado inferior da ponte.

A tarefa

A Moog foi encarregue de desenvolver um conceito para a inspeção e manutenção da secção oca da ponte «Queensferry Crossing» em Edimburgo, na Escócia, a maior ponte de tirantes do mundo. Era necessário ter em linha de conta que surgem elevações e declives no interior do trajeto com 2630 metros de comprimento da ponte. E que o espaço de construção disponível era muito apertado. A solução mais comum para esta tarefa, um carro de translação fixo aos carris com alimentação de energia externa dos motores, teria uma possibilidade de aplicação muito limitada.

A solução

Assim, a Moog tomou a decisão de construir um carro de translação com autonomia energética garantida por uma bateria incorporada, tendo utilizado, para o efeito, o conceito básico do carro a bateria da Demag. Este sistema de transporte autónomo (STA) desloca-se acionado por baterias, com motores regulados pela velocidade da Demag e sistema de blocos de roda DRS.

Os «Deck Shuttles» transportam duas pessoas com equipamento até 150 kg até ao local de utilização e alcançam velocidades de até 240 m/min. O arranque e travagem suaves também estão garantidos, assim como um início potente no estado totalmente carregado em trajetos ascendentes. A unidade de carregamento integrada permite carregar as baterias nas duas estações terminais.

Particularidades

Para este projeto, os projetistas da Moog viraram literalmente o carro a bateria de pernas para o ar: enquanto os carros a bateria podem deslocar-se no solo e navegar livremente como um STA para cargas pesadas, os «Deck Shuttles» estão suspensos num carril individual montado no teto da secção oca da ponte. Como os «Shuttles» são alimentados a bateria, deixa de ser necessário usar uma alimentação de corrente externa. Isto permite poupar espaço e trabalho a montar.