Segurança antes da descolagem e da aterragem

Comando de segurança da Demag em plataformas de aterragem de helicópteros

As plataformas de aterragem de helicópteros da AMM GmbH usam blocos de rodas da Demag. Permitem satisfazer o pré-requisito de um formato muito plano e de um nível de segurança elevado. Isto porque o extremamente versátil comando de segurança Demag SCU permite realizar inúmeras funções de segurança individuais, como determinar a posição da plataforma com a ajuda de tecnologia laser e controlar o trajeto com scanners de pessoas de segurança opcionais.

Os helicópteros são um dos mais conhecidos VTOL (aeronaves de descolagem e aterragem vertical). Isso significa que têm a capacidade para descolar e aterrar em espaços abertos apenas ligeiramente maiores que o seu comprimento total ou o diâmetro do rotor. Contudo, esta capacidade acarreta a desvantagem da dificuldade de colocação em pavilhões: ao contrário dos aviões, não é simples colocar ou remover os helicópteros dos hangares. É por isso que os pavilhões estão frequentemente equipados com plataformas de aterragem.

A AMM GmbH, sediada em Merkendorf, no estado alemão da Baviera, criou uma boa reputação neste mercado de nicho, que se encontra entre a tecnologia de transporte aéreo e de movimentação de cargas. A empresa desenvolve e produz plataformas de aterragem de helicópteros «made in Germany», com foco nos serviços de socorro aéreo.

Requisitos essenciais: formato plano, extrema fiabilidade

A AMM optou por usar componentes e sistemas da Demag na sua tecnologia de acionamento e de comando. A empresa AMM usou o comprovado sistema de blocos de roda DRS nas plataformas que se deslocam sobre carris. Quatro dos seis blocos de rodas montados são acionados por um motor-freio de redutor plano. O formato plano apresenta uma vantagem especial: as plataformas são, em parte, inferiores a 250 mm. O acionamento direto também é importante para a AMM. Matthias Schloss, diretor: «A tecnologia de acionamento tem de ser completamente fiável. É por isso que prescindimos, intencionalmente, de usar correntes, veios e outros componentes.» Pelo mesmo motivo, as plataformas estão sempre equipadas com várias funções diferentes operação de emergência.

Os blocos de rodas são acionados por um módulo de aplicações da Demag, para acionamentos com polos comutáveis com elevados requisitos de segurança. Este módulo é integrado no armário de controlo, que se desloca na plataforma. A botoneira de comando, que permite operar a plataforma, também provém do sistema modular da Demag. A AMM usa uma versão feita à medida de cada cliente, com cabo em espiral e botões de autorização, alternativamente também um comando à distância via rádio.

Tecnologia de segurança: uma única fonte

Os projetistas da AMM prestam uma enorme atenção ao conceito de segurança das plataformas de aterragem. Em primeiro lugar, é necessário assegurar que a plataforma avança e recolhe do hangar a uma velocidade reduzida. Além disso, a aproximação ao batente final (no exterior) tem de ser lenta. De seguida, é necessário garantir que é possível parar imediatamente a plataforma, em caso de necessidade, com um botão de desativação de emergência. Por último, a aproximação e a travagem têm de ser realizadas com uma aceleração ou desaceleração reduzida e controlada, para proteger tanto o helicóptero, como o equipamento médico.

A AMM colabora com a Demag tanto nestas, como noutras funções de segurança. E por uma boa razão: o comando de segurança Demag SCU, desenvolvido para estas tarefas, é a plataforma ideal. Foi concebido de raiz para ir ao encontro aos requisitos da tecnologia de elevação e de movimentação de cargas, proporciona uma grande variedade de blocos de funcionamento e também pode ser adaptado de forma simples a casos de aplicação complexos e descontrolados.

Conceito amplo de comando e de segurança

Algumas das funções básicas do Demag SCU usadas pela AMM para a operação segura das plataformas para helicópteros incluem uma paragem de emergência redundante, a monitorização do posicionamento dos contactores de potência para ambas as velocidades e o já referido arranque dos acionamentos necessariamente a uma velocidade reduzida. A paragem controlada dos acionamentos através de travagem regenerativa também é monitorizada em segurança.

Além disso, as plataformas também estão equipadas com outras funções de segurança que poderiam ser completamente integradas no Demag SCU como unidade de comando segura central. Por exemplo, a posição da plataforma no caminho de translação é monitorizada por dois sensores laser analógicos com refletores. Estes sensores, que também pertencem ao volume de entrega da Demag, atuam sobre o mecanismo de cames eletrónico e, por isso, sem desgaste do Demag SCU e ativam a velocidade reduzida antes de as posições finais seguras serem alcançadas. Além disso, uma barreira de luz de segurança monitoriza a posição correta do helicóptero aquando da recolha para o interior do hangar. Se, durante esse processo, o rotor se aproximar em demasia do hangar ou do portão, a plataforma é imediatamente parada em segurança.

Proteção das pessoas através de scanner a laser

Para garantir a proteção das pessoas e evitar colisões, é possível usar um scanner a laser de segurança Demag em cada sentido de translação. Estes dispositivos de proteção optoeletrónicos são montados diretamente na plataforma e monitorizam o trajeto de translação num ângulo de até 240 graus, mesmo durante o trajeto. Sempre que detetam um obstáculo, emitem um sinal correspondente à distância do objeto para o Demag SCU. O comando reage com uma redução da velocidade ou inicia uma paragem imediata em segurança da plataforma.

Em contraste com as funções de desativação de emergência convencionais, a plataforma também é parada com uma desaceleração reduzida, pelas razões já mencionadas. O Demag SCU permite às equipas de engenharia da Demag proporcionar estas funções especais com simplicidade.

Uma outra função especial é a «deteção de espelhos e refletores» dos dispositivos de proteção optoeletrónicos na plataforma. Permite que pessoas percorram a área de deteção dos sensores de segurança sem ativar uma paragem segura da plataforma. Assim, o comando de segurança consegue distinguir entre pessoas e obstáculos.

Configuração simples de funções especiais e de segurança

Todas as funções de segurança estão conforme os requisitos do SIL 2 da norma EN 61508 e a categoria 3 e o Performance Level d de acordo com a norma EN 13849. Como os blocos de funcionamento individuais podem ser facilmente adaptados a cada caso de aplicação através do software de programação SafeSCU, o utilizador não tem de investir muito tempo, nem de ter conhecimentos especializados para efetuar esta tarefa. Na maioria dos casos, só tem mesmo de parametrizar os valores das características de funcionamento que já estão guardadas no comando. O relatório de validação no editor de configuração do comando torna o trabalho do projetista ainda mais simples. Facilita a documentação conforme as normas em conformidade com a Diretiva Máquinas, tendo por base a análise de risco individual.